sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Quando me descobri negra

Tenho 30 anos, mas sou negra há apenas dez. Antes, era morena

O lindo texto a seguir é um trecho do recém-lançado livro “Quando me descobri negra”,  que a escritora Bianca Santana quis compartilhar com todas AzMinas. 
As ilustrações do livro são de Mateu Velasco
As ilustrações do livro são de Mateu Velasco

Tenho 30 anos, mas sou negra há apenas dez. Antes, era morena. Minha cor era praticamente travessura do sol. Era morena para as professoras do colégio católico, para os coleguinhas – que talvez não tomassem tanto sol – e para toda a família que nunca gostou do assunto. “Mas a vó não é descendente de escravos?”, eu insistia em perguntar. “E de índio e português também”, era o máximo que respondiam. Eu até achava bonito ser tão brasileira. Talvez por isso aceitasse o fim da conversa.

Em agosto de 2004, quando fui fazer uma reportagem na Câmara Municipal, passei pela rua Riachuelo, onde vi a placa “Educafro”. Já tinha ouvido falar sobre o cursinho comunitário, mas não conhecia muito bem a proposta. Entrei. O coordenador pedagógico 14 15 me explicou a metodologia de ensino com a cumplicidade de quem olha um parente próximo. Quando me ofereci para dar aulas, seus olhos brilharam. Ouvi que, como a maioria dos professores eram brancos, eu seria uma boa referência para os estudantes negros. Eles veriam em mim, estudante da Universidade de São Paulo e da Faculdade Cásper Líbero, que há espaço para o negro em boas faculdades.
Saí sem entender muito bem o que tinha ouvido. Fui até a Câmara dos Vereadores, fiz a entrevista e segui minha rotina. Comecei a reparar que nos lugares que frequento as pessoas também não tomam tanto sol. O professor do Educafro toma. Será por isso que ele me tratou com tanta cumplicidade?

Pensei muito e por muito tempo. Não identifiquei nada de africano nos costumes da minha família. Concluí que a ascensão social tinha clareado nossa identidade. Óbvio que somos negros. Se nossa pele não é tão escura, nossos traços e cabelos revelam nossa etnia. Minha mãe, economista, funcionária de uma grande empresa, foi branqueada como os mulatos que no século XIX passavam pó de arroz no rosto porque os clubes não aceitavam negros.

Eu fui branqueada em casa, na escola, no cursinho e na universidade. É como disse Francisco Weffort: o branqueamento apaga as glórias dos negros, a memória dos líderes que poderiam sugerir caminhos diferentes daquele da humilhação cotidiana, especialmente para os pobres. Ainda em busca de identidade, afirmo com alegria que sou negra há dez anos. E agradeço ao professor do Educafro que pela primeira vez, em 21 anos, fez o convite para a reflexão profunda sobre minhas origens.

QUANDO ME DESCOBRI NEGRA – Bianca Santana

Coleção: Quem lê Sabe Por quê
Faixa etária: (a partir dos 12 ou 13 anos)
Páginas: 96
Preço sugerido: R$ 32,00
Capa: brochura
Formato: 14,5cm X 17,0cm
Conheça a autora!
Bianca (1)
A Bianca é jornalista e professora da Faculdade Cásper Libero. Mestra em educação pela Universidade de São Paulo. Militante feminista e de movimentos de educação. Blogueira do Brasil Post/ Huffington Post. Autora de artigos acadêmicos e materiais didáticos, estreia na literatura com a coletânea “Quando me descobri negra” (Sesi- SP).

Fonte: AzMina

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

O Projeto Força Feminina confraterniza o Natal!


Foi em um clima de muita harmonia que as mulheres atendidas e as trabalhadoras sociais do Projeto Força Feminina celebraram a Festa de Natal.

A acolhida ocorreu com tranquilidade, onde as mulheres ao chegar foram conversando, socializando umas com as outras, revendo colegas de outros tempos.

A celebração se iniciou com reflexões sobre a vida, as escolhas que são feitas e a certeza de que Deus sempre nos dá uma segunda chance, e o Natal e o Ano Novo, além de ser tempo de perdão é também um tempo de recomeço...



Mas para recomeçar, é preciso fazer silêncio, meditar e esperar por esse tempo, diante disso, foi feita a reflexão do Advento, que é um tempo de espera, é um tempo de preparação e alegre espera do Senhor. Esse Senhor que vem para todos, para os desvalidos, para os pobres, para os carentes, para os menos favorecidos, e como prova de sua humildade nasce em uma manjedoura simples entre bois, vacas, cabras e ovelhas em um celeiro de Jerusalém. Um anjo do Senhor desce aos 25 de dezembro e anuncia a chegada de um Rei que irá mudar o mundo e abalar as estruturas sociais, anuncia a três simples pastores que guiados pela estrela de Belém o buscam até encontrá-lo em 06 de janeiro.



As mulheres ficaram atentas à reflexão sobre o momento do Advento, do Nascimento do Deus Menino, e da alegria dos Três Reis Magos ao encontrá-lo. De forma lúdica e criativa, elas fizeram a representação teatral da busca dos três simples pastores do Oriente que depois se tornaram os Três Reis Magos.



Houve uma emoção muito grande quando as mulheres assistiram ao clipe com a retrospectiva de 2017 contendo as fotos delas. O coração das mulheres não aguentou a emoção, elas bateram palmas e não seguraram o choro. O momento contagiou a todos que envolvidos em um clima mágico de carinho e união se confraternizaram desejando uns aos outros tudo de bom que as pessoas devem se permitir ter sempre em suas vidas, não apenas no Natal: Amor, Carinho, Paz, União, Fé, Alegria, Realizações e muitas conquistas!!!


É isso o que o Projeto Força Feminina deseja a todos os que estão sempre conosco, à nossa Família Oblata, às mulheres atendidas, aos parceiros, visitantes e voluntários, o nosso Fraterno Carinho e Gratidão e que em 2018 possamos estar cada vez mais unidos no intuito de fazemos o melhor para aqueles que nos procuram. Que em 2018, sejamos o Sal da Terra, o Sal da Vida!!!

Um Natal repleto de Amor e um Ano Novo cheio de Bênçãos e com muitas Realizações!!!

Que venha 2018!!!

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

A vasta e vergonhosa lista de feminicídios na Bahia em 2017

Daiane Reis, 25, morta em Serrinha aos 9 meses de gravidez, foi a 39ª vítima

Maria Vera, Andreza, Helem, Luana, Vanúcia, Janaína, Daniela. Agora, Daiane. Essas são apenas algumas das mulheres que, em 2017, foram vítimas de feminicídio. Não faltaram motivos; justificativas que tentassem explicar o inexplicável: ciúmes, discussão, traição, ameaça de expor a relação. Nenhum era o verdadeiro: elas morreram porque eram mulheres. 
Em 2017, até 18 de dezembro, foram pelo menos 39 casos – um levantamento feito pelo CORREIO identificou 33 dessas vítimas. Em comum, todas histórias com o mesmo nível de crueldade e que despertaram a mesma revolta. E histórias que parecem não ter fim. 
No sábado (16), o machismo fez mais uma vítima. A estudante de Nutrição Daiane Reis, 25 anos, morta em Serrinha, no Centro Norte do estado, pelo marido, identificado como Adilson Padro Lima Júnior, 25. Daiane, que já tinha um filho de um relacionamento anterior, estava grávida de nove meses. A pequena Maria Clara deveria nascer, fruto de uma cesariana, nesta segunda-feira (18). 
No entanto, este foi o dia em que mãe e filha foram enterradas juntas. Daiane desapareceu na tarde de sábado, mas o corpo só foi encontrado na manhã de domingo (17), por ciclistas, em um matagal no povoado do Murici. Ao lado do corpo de Daiane, a polícia encontrou um projétil de revólver calibre ponto 32.
Ao ser interrogado pela polícia pela segunda vez, no domingo à noite, Adilson confessou o crime. Ele foi preso em flagrante e deve responder por feminicídio. De acordo com o pai de Daiane, o comerciante Rubens Mota, 54, Adilson pegou seu carro emprestado, por volta das 13h do sábado, para levar a mulher para fazer compras do enxoval do bebê. "Ele usou meu próprio carro para fazer uma barbaridade dessas com a minha filha", lamentou o comerciante.
O crime teria acontecido cerca de uma hora depois que ele pegou o carro. Pouco depois, ainda no sábado, ele ligou para o sogro para dizer que Daiane tinha sumido. Toda a família iniciou uma busca para tentar localizar Daiane. "Nós começamos a ligar para os hospitais de Serrinha, Feira de Santana e Salvador, para tentar levantar alguma informação", contou Rubens. 
Adilson também participou das buscas e, no domingo, prestou queixa sobre o desaparecimento da mulher. Os familiares da vítima começaram a desconfiar do marido porque ele foi a última pessoa a ter contato com Daiane. "Ele era uma pessoa do nosso convívio e a gente não imaginava que ele seria o autor. Até a noite de ontem (domingo), eu acreditava que ele era inocente", desabafou Rubens.
De acordo com a polícia, após o desaparecimento, foram analisadas imagens de câmeras da região próxima onde o corpo foi encontrado. Uma das câmeras, ainda de acordo com a polícia, gravou o veículo do pai de Daiane seguindo para local às 14h e retornando 30 minutos depois.
Subnotificados
Foram 39 vítimas de feminicídio em 2017, mas podem ter sido mais. Bem mais. No entanto, como a lei do feminicídio é recente – desde 2015, o feminicídio é uma qualificadora do homicídio –, a tipificação do crime desde o início ainda é um desafio. “Os dados são altos, mas são subnotificados. Muitas vezes, visitamos delegacias e identificamos a necessidade de maior subsídio no registro da ocorrência, para que seja feita a tipificação do feminicídio”, diz a secretária estadual de Políticas para Mulheres, Julieta Palmeira.

Até hoje, a Bahia já registrou três condenações por feminicídio. Para a desembargadora Nágila Brito, titular da Coordenadoria da Mulher do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), o número é ‘razoável’, considerando que o processo tem duas fases. “Felizmente, a sociedade tem respondido bem, porque quem vota em caso de júri são jurados e a sociedade é representada. O Judiciário está fazendo um esforço para julgar rápido”, garante.
Mas ela destaca que o feminicídio não acontece da noite para o dia. Por vezes, o feminicídio é o ponto final de abusos frequentes – sejam físicos ou psicológicos. Muitas das vítimas eram mulheres que sofreram por anos. E, para a desembargadora, não é raro que a família tenha alguma culpa. 
“Às vezes, a mulher quer se separar, mas a família não apoia, tem aquela visão tradicional de que casamento é para sempre, que homem é assim mesmo. São esses pensamentos da sociedade patriarcal que matam. É toda uma cultura, uma situação muito grave e muito dolorosa”. 
Titular da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) de Periperi, a delegada Vânia Matos atende casos de violência doméstica diariamente. Diz que passou a fazer de sua rotina tentar mostrar às vítimas que lá chegam sobre o feminicídio. 
“Nenhuma mulher que registrou ocorrência aqui sofreu feminicídio, mas a gente conversa muito com elas sobre isso, que é um crime difícil pelo vínculo. Nenhum crime é justificável, mas o vínculo é muito grande e acaba proporcionando essas oportunidades”.  
Segundo a secretária Julieta Palmeira, mais do que um problema de violência, o feminicídio é uma questão de saúde pública. “E existe um agravante que é o racismo estrutural da nossa sociedade, porque as mulheres que mais sofrem feminicídio ou violência são as mulheres negras, porque existe a intersecção entre machismo, racismo e desigualdade social”. 
Conheça 33 das vítimas de feminicídio em 2017 na Bahia, segundo a polícia:
1. 2 de janeiro - Medeiros Neto - Maria Vera da Silva, 39 anos, morta pelo marido
Maria Vera da Silva, 39 anos, teve um relacionamento com Leonatan Borges Silva, 27, por 14 anos. Os dois, que eram soropositivos, viviam juntos há 14 anos em uma casa que fica em um terreno que pertencia ao pai dela. Após uma discussão, Leonatan esfaqueou a esposa na cabeça. Ele manteve o corpo de Maria Vera escondido em casa por dois dias, até que foi preso em flagrante, enquanto tentava fugir. 

2. 30 de janeiro - Teixeira de Freitas - Leidiane Silva de Jesus, 20 anos, morta pelo ex-marido
A jovem Leidiane Silva de Jesus, 20 anos, tinha terminado o relacionamento com seu ex-marido, Erli Silva Viana, 40, uma semana antes de morrer. Ela foi morta a facadas após uma discussão, na qual testemunhas teriam ouvido gritos de socorro. O próprio irmão de Erli, segundo a polícia, o viu fugindo da casa de Leidiane, no município de Teixeira de Freitas, no Extremo Sul da Bahia. 

3. 1º de fevereiro - Feira de Santana - Josenice de Jesus Cunha, 49 anos, morta pelo namorado
Josenice de Jesus Cunha, 49 anos, foi assassinada com uma facada no peito pelo namorado, Jackson dos Santos Lima, 38. Segundo a polícia, Josenice estava bebendo em casa com três amigos quando Jackson chegou. O casal teria então ido para a cozinha da casa e lá começaram uma discussão. Jackson pegou uma faca e atacou a namorada, que gritou por socorro.

4. 27 de março - Salvador - Cássia Cristina Conceição da Silva, 47 anos, assassinada pelo namorado
O assassinato da cuidadora de idosos Cássia Cristina Conceição, 47, aconteceu na Travessa Beira Rio, na casa da própria vítima, em Nova Brasília de Itapuã, durante a madrugada do dia 27 de março. A agressão foi alertada pela vizinhança, que acionou policiais militares. Cássia já tinha percebido a presença do ex-namorado Antônio Marcos Rocha, 47, e contou à uma vizinha, proprietária do imóvel em que a cuidadora morava.

5. 31 de março - Conceição da Feira - Wagna Andrade Soares, 47 anos, morta pelo namorado
A subtenente da Polícia Militar Wagna Andrade Soares, 47 anos, foi encontrada morta em um matagal em Conceição de Feira, a cerca de 120 km de Salvador. De acordo com a polícia, o homem que afirmou ser namorado da vítima confessou o crime. 

6. 17 de abril - Salvador - Andreza Victória Santana da Paixão, 15 anos, morta pelo ex-namorado
A polícia afirma que Andreza e o acusado, Adriel Montenegro dos Santos, 21 anos, namoraram por dois anos, mas que ele não aceitava o fim do relacionamento.Victória foi vista com vida pela última vez quando deixou a Colégio Rotary, na ladeira do Abaeté, para ir até a casa do ex-namorado por volta das 17h30. Ao CORREIO, uma amiga contou que o casal estava separado havia 8 meses. O pai de Adriel, que é PM, foi quem socorreu Victoria depois que ela foi baleada na varanda da casa. 

7. 21 de abril - Alagoinhas - Rosângela Gomes Costa, 35 anos, morta por dois homens
A professora universitária Rosângela Gomes da Costa, 35, foi encontrada morta dentro de sua casa no dia 21 de abril no município de Alagoinhas. Ela estava amordaçada, amarrada na cama e com pelo menos oito perfurações pelo corpo. Edvan Alves dos Santos e Lenildo Santos da Silva são acusados pelo crime. Edvan tinha feito trabalhos de limpeza na casa de Rosângela.

8. 27 de abril - Luís Eduardo Magalhães - Eguiomar Vieira de Jesus, 45 anos, executada morta pelo ex-marido
A ambulante Eguiomar Vieira de Jesus, 45 anos, foi golpeada no pescoço pelo ex-marido, o também ambulante Marcos Santos de Almeida, 33, preso horas depois. Em depoimento, ele disse que não aceitava o fim do relacionamento, que durou dois meses.

9. 30 de abril - Valença - Aline de Jesus, 17, foi morta pelo namorado, um adolescente de 17 anos 
Um adolescente de 17 anos, assassino confesso da namorada Aline de Jesus, também de 17, foi conduzido à Delegacia Territorial (DT), de Valença, depois de ser apreendido por uma guarnição da 33ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM), na cidade do Baixo Sul baiano. Na delegacia, o jovem confessou que matou a namorada por ciúmes, com oito golpes desferidos com uma faca de cozinha, já encaminhada para perícia.

10. 1º de maio - Jeremoabo - Izabelly Oliveira Bispo Souza, 26 anos, assassinada pelo ex-namorado
A assessora parlamentar Izabelly Oliveira Bispo Souza, 26 anos, foi assassinada com golpes de algum objeto perfurocortante. "Pelas características das lesões foi algum objeto contundente, como uma foice ou um facão", explicou o delegado. Uma amiga próxima da vítima disse em entrevista ao CORREIO que a jovem vivia um relacionamento conturbado com o ex-namorado, Raul de Jesus, 24, principal suspeito de cometer o crime.

11. 3 de maio - Camaçari - Girleide Silva de Souza, 34 anos, morta a facadas pelo ex
Morta a facadas em Camaçari, Região Metropolitana de Salvador. O ex-marido é acusado pelo crime. O nome do suspeito não foi divulgado e não foi possível obter mais detalhes do caso.

12. 10 de maio - Ibirapitanga - Odailda dos Santos Passos, 30 anos, morta com machado pelo marido
Morta com um golpe de machado em Ibirapitanga, no Sul do estado. O marido, identificado como Carlos, é acusado. Segundo a polícia, que não divulgou o nome completo do acusado, o casal saiu pela manhã, no dia do crime, para trabalhar em uma fazenda que fica na zona rural. Enquanto coletavam lenha, quando Carlos surpreendeu Odailda com o golpe na cabeça. Ela caiu sobre a madeira morta. Ainda conforme a polícia, logo após o crime, o suspeito telefonou para a cunhada, contou sobre o feminicídio e fugiu. Abuso de filha de 12 anos da vítima é investigado.

13. 30 de maio - Cachoeira - Simone Conceição da Mota, 28 anos, morta com facão por não aceitar namoro
Morta em Cachoeira, no Recôncavo, segundo a polícia, pelo lavrador Bartolomeu Barbosa Vieira Filho. A vítima teria se recusado um relacionamento com ele, que, inconformado, usou um facão para atacá-la com um facão. Filha de 5 anos da vítima presenciou o crime. O processo foi distribuído em 27 de novembro. Ele responde por homicídio qualificado.

14. 3 de junho - Conceição do Jacuípe - Mariluce Ferreira de Lima, morta a tiros pelo companheiro
Morta em Conceição do Jacuípe, no Centro-Norte. O companheiro Josimar Brito Ferreira Portugal é acusado pelo crime, praticado depois de ele ver chamada no celular dela. Mariluce foi morta com um tiro no pescoço, dentro da casa da mãe. Josimar foi preso em flagrante por homicídio qualificado. O processo está pronto para setença desde 26 de setembro.

15. 8 de junho - Vera Cruz - Helem Moreira dos Santos, 28 anos, esfaqueada pelo ex-companheiro
Dois meses antes de ser morta a facadas em Vera Cruz, na Região Metropolitana, pelo companheiro, o taxista Ângelo da Silva, 25, Helem relatou a uma amiga que o companheiro não aceitava o fim do relacionamento. "Terminei mas ele não aceita bem, fica ligando e vindo aqui", afirmou ela, no dia 14 de abril, em conversa registrada pelo aplicativo WhatsApp. A pedagoga comentou, ainda, a necessidade de sair de casa. O caso não foi encontrado no sistema do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA).

16. 11 de junho - Salvador - Luana Fernandes Hungria, 24 anos, morta a tiros pelo namorado
O namorado, José Carlos Lopes Júnior, é acusado de matar Luana no bairro do Uruguai, após tirá-la de um imóvel e atirar contra ela no meio da rua. Ele disse ouvir vozes afirmando que era traído. A Justiça baiana recebeu a denúncia por homicídio qualificado em 5 de setembro. O julgamento foi marcado para 21 de fevereiro de 2018, às 14h, no Salão do Júri, no Nazaré. Um mês antes do crime, ele se declarava em redes sociais: 'Obrigado por me fazer feliz'.

17. 15 de junho - Lauro de Freitas - Jussara de Oliveira, 36 anos, morta pelo marido
Morta em Lauro de Freitas. O marido, Alexandre, é acusado. Os filhos dela, Felipe de Oliveira, 20, e Ângela de Oliveira, 14, também foram mortos. A família da vítima suspeita que Jussara tenha sido morta porque o ex-marido dela não aceitava o fim do relacionamento. O nome completo do suspeito não divulgado.

18. 20 de junho - Juazeiro - Laise dos Santos Silva, 20 anos, morta por ex-namorado
ex-namorado, identificado como Anderson, é acusado do crime  em Juazeiro, no Vale do São Francisco. Laise estava retornando de mototáxi do trabalho quando foi atacada. O suspeito pelo crime é o ex-companheiro que não aceitava o fim do namoro. Laise já tinha inclusive conseguido uma medida protetiva que proibia o ex de se aproximar dela. O nome completo do suspeito não foi divulgado pela polícia.

19. 24 de junho - Lauro de Freitas - Vanúcia dos Santos, 48 anos, assassinada pelo marido
Foi morta pelo marido, o marceneiro José Cosme Alves Brito, 51, em Lauro de Freitas. Ele foi espancado por populares após o crime. Vanúcia acreditava que o marido estava ‘doente espiritualmente’. A bebedeira, as traições e o comportamento violento não passavam de uma fase daquele homem que, até então, aparentava compartilhar da mesma fé que ela. No dia 24 de junho, a aposentada foi vítima de um feminicídio: foi morta a facadas por ele, segundo parentes e vizinhos. Agora, a família de Vanúcia aguarda a data do julgamento de José Cosme, que vai a júri popular. Ele está preso no Complexo Penal da Mata Escura e a última audiência do caso foi no dia 16 de outubro.

“É muito doloroso para a gente. Dia 26 agora seria aniversário dela. A gente comemorava o Natal e depois o aniversário dela. Só peço justiça”, diz a nora da vítima, a dona de casa Daniele Gomes.
Mesmo após quase seis meses, ela conta que a dor não passou. Hoje, Daniele tenta conscientizar outras mulheres a denunciar possíveis abusos. Diz que passou a ser mais cuidadosa, especialmente com aquelas que são de sua família. “A gente tem medo. Fiquei com aquele trauma de homem, porque a gente pensa que só acontece com os outros, mas, quando a gente passa a viver, é diferente. As mulheres, às vezes, acham que foi só uma briga, só uma discussão, mas chega nesse ponto que chegou com minha sogra”. Justiça recebeu a denúncia por homicídio qualificado em 18 de julho.
20. 24 de junho - Simões Filho - Daniela Santos Melo, 26 anos, 
Morta a tiros em Simões Filho. O companheiro, Gilmar Batista da Silva é acusado de ter cometido o crime. Justiça recebeu a denúncia por homicídio qualificado em 13/9

21. 29 de junho - Guaratinga - Adália Pereira de Jesus, 50 anos
Morta a marteladas em Guaratinga, no Extremo-Sul. O companheiro, José Ferreira da Silva, 49, é acusado pelo crime. Suspeito se enforcou em seguida.

22. 30 de junho - Salvador - Marlene Rodrigues Moura, 62 anos, morta a facadas por namorado
Morta a facadas no bairro de São Cristóvão. O namorado, José Amadeu dos Santos, 52, é acusado pelo crime. O processo Justiça recebeu a denúncia por homicídio qualificado em 28/8

23. 27 de junho - Porto Seguro - Dominik Miranda Viana, 15 anos, morta com punhal por namorado
Morta a punhaladas numa casa de shows em Porto Seguro, no Sul. O namorado, Joelson Borges Santos, 23, é acusado pelo crime. Justiça recebeu a denúncia por homicídio qualificado em 3 de outubro.

24. 20 de julho - Feira de Santana - Risoleta Araújo Alencar, 30 anos, gestante morta pelo marido
Grávida, foi morta a facadas em Feira de Santana. O marido, o deficiente visual Teódulo Ferreira dos Santos, 34, é acusado. Ele não aceitava dividir as tarefas domésticas. Processo foi recebido pela Justiça em 8 de agosto e o acusado está preso por homicídio qualificado.

25. 31 de julho - Dias D'Ávila - Daniela Vaz Ribeiro, 24 anos, assassinada a tiros pelo marido
Morta em Dias D’Ávila, na Região Metropolitana de Salvador. O marido, Danilo Dias Melo, 21, é acusado pelo crime. Teria agido após ver uma conversa no celular dela. Não foi encontrado no sistema do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA)

26. 4 de agosto - Salvador - Cláudia Santana de Oliveira, 26 anos, morta pelo namorado
Morta por asfixia no bairro de Itapuã. O namorado, o pedreiro Edgar Pereira Costa, 46, é acusado pelo crime. O corpo da dona de casa com quem o pedreiro mantinha um relacionamento havia sete meses, foi encontrado pela polícia dentro de um saco, no banheiro da casa do casal. De acordo com a Polícia Civil, Edgar asfixiou e chegou a provocar lesões graves na genitália de Cláudia. A Justiça recebeu a denúncia por feminicídio em 29 de agosto.

27. 27 de agosto - Jaguarari - Graciela de Souza Dias, 21 anos, morta pelo ex-marido
Morta em Jaguarari, no Centro-Norte. O ex-marido João Bonfim da Silva, 42, é acusado. Não aceitava o fim do relacionamento. Não foi encontrado no sistema do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA)

28. 8 de setembro - Salvador - Rejane Vieira Gomes da Silva, 42 anos, executada pelo marido
Morta a tiros em Fazenda Coutos III. O marido, Maurício Celestino da Silva, 46, é acusado. O acusado foi preso em flagrante por homicídio qualificado, mas teve a prisão preventiva revogada em 28/9.

29. 30 de setembro - Salvador - Marília Natércia Andrade Sampaio, 32 anos, morta por homem que conheceu na internet
Morta em Itapuã. O comerciante João Paulo Castro Moreira, 30, é acusado e está preso. Dono de um lava a jato, ele é suspeito de matar outras mulheres em Salvador. Justiça recebeu a denúncia pelo feminicídio de Marília em 26 de outubro.

30. 18 de outubro - Salvador - Maria Lucília Santos de Jesus, assassinada pelo companheiro
Morta a punhaladas em Pernambués. O companheiro, o caseiro Orlando de Jesus, 53 anos, é acusado pelo crime. Ele escondeu o corpo debaixo da cama. Justiça recebeu a denúncia por feminicídio em 13/12. 

31. 10 de novembro - Salvador - Janaína Silva de Oliveira, 42 anos, morta pelo marido
A corretora de imóveis Janaína foi morta a facadas dentro do apartamento onde morava, no Barbalho, e o corpo foi encontrado pela filha dela no final da tarde do mesmo dia. O marido Aidilson Viana de Souza foi acusado pelo crime. Amigos da família e vizinhos do casal disseram que Aidilson era um homem ciumento, e que as brigas entre eles eram conhecidas no bairro. Numa madrugada, os dois tiveram mais uma discussão. Ela foi golpeada nas costas, correu para o quatro e conseguiu trancar a porta. Uma amiga da vítima contou que o suspeito teria deixado o celular e os documentos dele dentro de casa e que, por isso, passou a noite inteira rondando o prédio. A polícia solicitou as imagens de câmeras da região que podem ter registrado a movimentação após o crime. A revolta da família de Janaína ficou ainda maior depois que Aidilson saiu da prisão, na quinta-feira (14). Depois de ficar por 30 dias no Complexo Penal da Mata Escura, o acusado não teve a prisão preventiva revogada pelo juiz Eduardo Augusto Leopoldino Santana, da 1ª Vara do Tribunal do Júri. Para a filha de Janaína, a gestora comercial Priscila Gama, 27, a decisão da Justiça mostra impunidade.

“Ninguém passa por isso. Eles não estão sendo condenados. Deveriam, no mínimo, ficar presos”, diz.
Ela reforça que as mulheres não devem se calar e tentar se libertar de relacionamentos abusivos. Justiça recebeu denúncia por homicídio qualificado em 11 de dezembro.
32. 13 de novembro - Salvador - Daniela Bispo dos Santos, 38 anos, assassinada por namorado
Morta a pedradas por um namorado, na Pituba. Mateus Viliam Oliveira Alecrim Dourado Araújo confessou ter matado a jornalista. Não foi encontrado no sistema do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA).

33. 16 de dezembro - Serrinha - Daiane Reis, 25 anos, executada pelo marido
Grávida, foi morta com um tiro na nuca. O marido, Adilson Padro Lima Júnior, 25, confessou o crime. O parto estava marcado para ontem. Não foi encontrado no sistema do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). Segundo a Polícia Civil, ele vai responder por feminicídio.

Fonte: Correio da Bahia